Android Geek
O maior site de Android em Português

Proibição dos EUA à Huawei está a matar a Xiaomi

Forçar a Huawei a apostar no mercado chinês sobrou para os fabricantes de smartphones chineses rivais e reforçou a posição de mercado já dominante da Huawei em casa. Xiaomi está a sofrer com a proibição à Huawei, mas não é a única O último sinal de alerta chegou no final do mês passado, quando a Xiaomi, o quarto maior fornecedor de smartphones da China, anunciou a quinta remodelação de gestão este ano.

A decisão de Washington de impedir que os smartphones da Huawei usem os serviços móveis do Google criou algumas vítimas inesperadas: ao forçar a empresa a apostar no mercado chinês sobrou para os fabricantes de smartphones chineses rivais e reforçou a posição de mercado já dominante da Huawei em casa.

Xiaomi está a sofrer com a proibição à Huawei, mas não é a única

O último sinal de alerta chegou no final do mês passado, quando a Xiaomi, o quarto maior fornecedor de smartphones da China, anunciou a quinta remodelação de gestão este ano. A Xiaomi registou um declínio trimestral na receita de smartphones, algo quebra deixa os executivos da marca preocupados, e na verdade devia deixar-nos a todos preocupados.

Proibição dos EUA à Huawei está a matar a Xiaomi 1
Lei Jun, chairman e CEO do Xiaomi Corp.,

Os analistas dizem que a Xiaomi é  uma vítima colateral da proibição dos EUA contra a Huawei.

"Sem acesso aos serviços móveis do Google, a Huawei precisa focar suas vendas na China", onde o Google jáem está proibido há anos e os locaiseestão acostumados a usar alternativas, disse Flora Tang, analista da consultoria global Counterpoint Research, em Hong Kong.

"A proibição dos EUA também aumentou o sentimento de nacionalismo, que funciona a favor da Huawei", disse Tang. "Muitos chineses decidiram que comprariam apenas telefones Huawei".

A competição intensificada, combinada com o crescente apoio dos consumidores chineses à Huawei, criou "enormes danos" a outros fornecedores de smartphones no país, e marcas locais como a Xiaomi não são exceção, disse Tang.

Huawei Mate 30 Pro 5G China Mobile

Durante o trimestre de julho a setembro, a Xiaomi, com sede em Pequim, vendeu 8,6 milhões de aparelhos na China, uma queda de 38% em relação ao mesmo período do ano passado, segundo a Counterpoint Research.

Nicole Peng, vice-presidente da da empresa de análise de mercado Canalys em Hong Kong, também atribuiu a queda nas vendas da Xiaomi em parte ao efeito cascata dos problemas da Huawei no exterior.

"Se a Huawei quiser manter o crescimento geral, terá que aumentar as vendas domésticas para compensar a desaceleração no exterior", disse Peng. No entanto, num mercado em que o total de remessas de aparelhos diminuiu 3% no período de julho a setembro em relação ao ano anterior, o ganho de uma empresa é a perda de outra empresa. Estatísticas da Canalys mostram que a Vivo e a Oppo, segundo e terceiro maiores fornecedores de smartphones do país, também foram afetados desde a proibição da Huawei.

A Vivo, com sede em Dongguan, detinha apenas 17,9% do mercado chinês no terceiro trimestre, ante 22,6% no mesmo período do ano passado. Ainda que, a participação de mercado da Oppo, também sediada em Dongguan, caiu de 21,1% para 17,4%, e a participação de mercado da Xiaomi caiu de 13,1% para 9%.

Por outro lado, a participação de mercado da Huawei subiu para 42,4%, de 24,9%, quase equivalente a Xiaomi, Oppo e Vivo juntas.

A Apple, a única marca estrangeira que permanece na lista dos cinco principais fornecedores de smartphones da China, também perdeu tracção para os chineses. A participação de mercado caiu para 5,2% no terceiro trimestre, ante 7% no ano passado.

"Os próximos meses marcarão um momento ainda mais difícil para a Xiaomi e outros fornecedores de smartphones na China", disse Peng.

Em outubro, as três operadoras móveis do país lançaram os tão esperados planos de dados 5G. "A Huawei está numa posição forte para consolidar ainda mais o domínio no mercado chinês de smartphones por meio de lançamentos de 5G", disse Peng.

Atualmente, a gigante de telecomunicações com sede em Shenzhen é o único fornecedor chinês de smartphones que pode produzir chipsets 5G sem ajuda de terceiros, o que torna fácil para a Huawei controlar os custos de produção e vender aparelhos de última geração a preços favoráveis ​​ao consumidor.

Huawei 5G

A crescente atenção da Huawei ao mercado doméstico começou em maio, depois de Washington incluir a empresa à chamada Lista de Entidades, que exige que os fornecedores dos EUA peçam uma licença antes de exportar componentes ou serviços para a Huawei.

O que isto significa para os consumidores?

Sinceramente isto é um cenário apocalíptico, o facto de perdermos, como consumidores, empresas como Xiaomi e Vivo, Oppo, significa um aumento de preços da tecnologia. Gigantes como Samsung, Apple e outras não se sentirão pressionadas a inovação ou apresentaram soluções com melhor relação custo benefício se não houver uma ameaça de concorrência real.

Dias tristes para a indústria de tecnologia móvel.

 

Fonte

Este Website usa cookies para providenciar uma melhor experiência. Pode recusar se desejar. Aceitar Saber Mais