Android Geek
O maior site de Android em Português

Huawei está prestes a recuperar o Google, será o P40 Pro a assinalar o "regresso" ?

O HarmonyOS deve marcar presença numa série de dispositivos no próximo ano – como TVs inteligentes, relógios, fones de ouvido VR -, mas o único lugar que o utilizador não o veremos é num smartphone. A Huawei está fiel ao Android para os seus telefones, pelo menos por enquanto, o que significa que o debate sobre o Google não vai desaparecer.

Quando começaram a surgir rumores esta semana sobre o próximo dispositivo principal da Huawei, o P40 Pro, que provavelmente ocorrerá no próximo ano, também houve confirmação de que veremos mais do sistema operativo interno da empresa em 2020. O HarmonyOS deve marcar presença numa série de dispositivos no próximo ano - como TVs inteligentes, relógios, fones de ouvido VR -, mas o único lugar que o utilizador não o veremos é num smartphone. A Huawei está fiel ao Android para os seus telefones, pelo menos por enquanto, o que significa que o debate sobre o Google não vai desaparecer. Isso também significa que o relógio está a correr se querem evitar lançamentos sem Google semelhantes ao Mate 30.

A Huawei está prestes a recuperar o Google? Com a Microsoft obtendo uma licença, que motivo de segurança existe agora para reter o mesmo do Google?

A 9 de dezembro, o chefe de software de consumo da Huawei, Wang Chenglu, explicou que a Huawei se manteria fiel ao Android. Sabemos disso há algum tempo, os executivos da empresa nunca esconderam a natureza do plano A ser Android. Mas isso não impediu a especulação de se estar a preparar um telefone HarmonyOS. Essas alegações foram rapidamente negadas pelo HQdda Huawei em Shenzhen. Isso é importante. A Huawei não fecha nenhuma porta em receber o Google de volta. A Huawei quer voltar normal. E rápido.

A Huawei continua a lutar contra a ausência de software e serviços do Google nos seus novos smartphones, e tem duas alternativas disponíveis. Evoluir o HarmonyOS de um sistema operativo abrangente IoT para um que se adapte a dispositivos inteligentes ou substituir a camada de software do Google (GMS) no Android de código aberto por uma própria (HMS). De qualquer forma, significa criar uma alternativa aos mapas e GMail, pagamentos e pesquisa - e, acima de tudo, uma loja de aplicações confiável com todos os serviços e proteções subjacentes.

O HarmonyOS na realidade não é um sistema operativo projetado para dispositivos móveis - e, embora os fãs da Huawei estejam desapontados por a empresa não estar a trabalhar para resolver isso, não é surpresa. Toda a estrutura do código é arquitetada de maneira diferente. Com efeito, é destinado como um sistema operativo IoT de plataforma cruzada para vários tipos de dispositivos, onde o foco é reduzir a latência e não adicionar complexidade. Os executivos da Huawei estão abertos a isso há meses.

Huawei Mobile Services é o caminho para já

E assim, sobra alternativa dos Serviços Móveis da Huawei para o Google, aproveitando a principal plataforma Android, reduzindo a curva de mudança para novos utilizadores. Isso é muito mais realista, mas não sem os seus problemas inerentes. Usar os HMS de forma total requer uma alternativa à Play Store, um ecossistema de programadores, alternativas viáveis ​​aos produtos básicos do Google.

Quem perde mais com esta proibição à Huawei é o setor de tecnologia dos EUA em geral e o Google em particular. Nas últimas semanas, vimos informações que sugerem que os EUA e o Google estão a ficar sem tempo e depois da Huawei ter um Plano B ao Google não haverá retorno.

Na verdade, porém, o que está a acontecer é muito mais simples. A Huawei tranquila, porque todos os sinais apontam para um regresso à normalidade.

O Departamento de Comércio dos EUA está atualmente a emitir licenças para empresas americanas negociarem com a Huawei, permitindo que restaurem o relacionamento com fornecedores como a Huawei. Há poucainformação no domínio público sobre quais as empresas queeestão a solicitar licenças e quais não o estão a fazer, mas a linha que foi definida é que as licenças serão emitidas em casos onde não há risco à segurança e o software ou hardware está disponível.

Nem o Google nem a Huawei falaram abertamente sobre este tema, mas minha leitura é de que ambos esperam de alguma forma um regresso aos negócios como de costume em 2020 - embora com algumas restrições e limitações. A retórica da Huawei sobre o HarmonyOS mudou muito, e estão a fazer mesmo com o HMS recentemente, estão a ganhar tempo. E, apesar da reação política que um regresso da colaboração do Google com a Huawei provocará nos EUA, a verdade é que o Google tem muito em jogo. A Huawei está a caminho de vender mais smartphones em 2020 do que qualquer outra fabricante e, embora o crescimento esteja a ser alimentado da China, onde o Google é proibido, os negócios internacionais estão a estabilizar. O Google não quer perder tanto dinheiro a longo prazo e aumentar a sua dependência da Samsung.

Huawei é líder no 5G: Trump Mission Failed

Há mais uma reviravolta esta semana. Embora a lista negra pareça concentrar-se nos smartphones e no Google,a intenção era, na verdade, reduzir as vendas de equipamentos de rede 5G. E aqui a Huawei mantém a liderança de vendas em relação à sua principal competição europeia. A notícia de que a Huawei conseguiu acordos na Alemanha e Espanha apesar das discussões em curso sobre segurança nos países, a implementação do 5G é uma grande vitória para a Huawei e uma grande decepção para Washington. A Huawei, no coração da Europa, tem apoio quase unânime.

E assim voltamos ao ponto crucial. Privar a Huawei do Google não trata de nenhum problema de segurança, mas atingir a empresa onde mais dói. A sua linha de smartphones em rápido crescimento. O Departamento de Comércio parece estar a aprovar cerca de metade dos pedidos de licença recebidos, e ainda não se sabe onde o Google está neste processo. O Google continuará a pressionar para obter uma licença. Ninguém está a falar publicamente deste tema porque ninguém quer irritar os EUA e arriscar uma resposta negativa. No entretanto perdemos todos.

Este Website usa cookies para providenciar uma melhor experiência. Pode recusar se desejar. Aceitar Saber Mais