Android Geek
O maior site de Android em Português

Huawei teme que funcionários ligados aos EUA possam revelar informações confidenciais

Isto devido a preocupações de que possam ser secretamente contactados por agentes americanos que possam forçá-los para revelar informações confidenciais da empresa.

 

Enquanto os EUA acusam a Huawei de instalar backdoors nos seus equipamentos de rede, que supostamente poderiam ser usados ​​para roubar dados confidenciais dos utilizadores, desta vez a Huawei está a deslocalizar os seus executivos seniores e cientistas vinculados aos EUA para as suas subsidiárias. Isto devido a preocupações de que possam ser secretamente contactados por agentes americanos que possam forçá-los para revelar informações confidenciais da empresa.

logotipo da huawei-store

Em palavras mais simples, supostamente a Huawei acredita que o governo americano possa infiltrar-se nos funcionários da marca nos EUA, representando uma grande ameaça aos dados da empresa, que incluem os seus futuros cronogramas. Até agora, vários executivos da Huawei com altos cargos de pesquisa e desenvolvimento, onde se incluem asiáticos-americanos, deixaram a empresa ou foram recolocados, segundo as fontes do Nikkei.

Alguns destes funcionários da Huawei incluem Sunhom ​​Steve Paak e Wang Hsin-shih. O primeiro foi recolocado para a HiSilicon Technologies para servir como director de tecnologia. Por outro lado, este último fez uma saída abrupta da empresa. Embora as fontes tenham questionado os dois funcionários e a Huawei, eles não responderam ou decidiram não fazer nenhum comentário sobre esta informação.

Até a empresa chinesa demitiu 70% dos seus funcionários numa das suas subsidiárias nos EUA, a Futurewei, devido ao facto de não poder mais manter relações comerciais com outras empresas americanas.

No mês de março deste ano, a Huawei processou o governo dos EUA, alegando que as autoridades americanas “invadiram os servidores da empresa para roubar e-mails e códigos-fonte”, o que ainda está para ser provado.

Em geral, as tensões comerciais entre a China e os Estados Unidos estão a manifestar os seus efeitos negativos em ambas as partes. É importante salientar que, no ano de 2018, o investimento directo chinês nos EUA caiu para US $ 5 mil milhões, 80% menos que no ano anterior, que teve investimentos na ordem dos US $ 29 mil milhões.

Numa conferência de imprensa realizada em setembro, o fundador e CEO da Huawei, Ren Zhengfei, fez a seguinte declaração:

Podemos encontrar matemáticos na Rússia, cientistas na Europa ... se não pudermos nos EUA...

Além disso, executivos seniores da Huawei declararam anteriormente que desejam recrutar “jovens génios” de todo o mundo. Eles também orgulharam-se das novas contratações na Huawei com doutorados com um salário anual de até 2 milhões de yuans (US $ 281.000), superiores ao Google ou à Apple.

Embora a proibição dos EUA tenha afectado drasticamente as vendas de equipamentos da Huawei, que incluem smartphones e equipamentos de telecomunicações, a empresa divulgou resultados surpreendentes hoje, que revelam um crescimento de 24% nos três primeiros trimestres de 2019, para 611 mil milhões de yuans (US $ 86 mil milhões).

Para finalizar, esta é uma situação complicada para a Huawei, mas a marca parece estar a lidar bem com o forte apoio do governo chinês. Por enquanto, podemos apenas esperar e observar o que o futuro reserva para a empresa.

Fonte

Este Website usa cookies para providenciar uma melhor experiência. Pode recusar se desejar. Aceitar Saber Mais