Android Geek
O maior site de Android em Português

Acções da Xiaomi estão em queda consecutiva há um ano - o boom do smartphone acabou?

Se o valor em bolsa da Xiaomi for um indicador a considerar a  Xiaomi será em breve apenas aquilo que sempre foi, uma empresa que vende smartphones baratos.

A Xiaomi tem sido, um motivo de inspiração para os fabricantes de smartphones da China em todo o mundo. A Xiaomi tem pautado o seu caminho por oferecer equipamentos de todas as gamas a preços muito agressivos e parece ser uma história de sucesso absoluto. Mas as acções da empresa contam uma história bem diferente: A história de uma Xiaomi que não conseguiu capitalizar as suas vantagens, e agora vale menos que o Twitter.

Acções da Xiaomi estão em queda consecutiva há um ano - o boom do smartphone acabou? 1

Recentemente, as acções da Xiaomi caíram para cerca de US $ 1,15 (USD) por ação, metade do valor com que se estreou no mercado há um ano. Como resultado, a capitalização de mercado total da Xiaomi é de cerca de US $ 28 mil milhões.

Embora a capitalização de mercado seja uma medida de valor relativo, é também uma das poucas formas de termos uma estimativa do que o mercado acha que uma empresa vale. E, neste ponto, a situação da Xiaomi parece bastante concreta: o preço das acções declinou de forma constante e consistente no ano passado, com muito pouca flutuação. Isso sugere que a maioria dos investidores não vê um futuro brilhante para a Xiaomi.

Porque os investidores não confiam no futuro da Xiaomi?

Acções da Xiaomi estão em queda consecutiva há um ano - o boom do smartphone acabou? 2

O que sabemos sobre o mercado de smartphones que poderia fazer com que uma empresa como a Xiaomi falhasse? Por um lado, sabemos que em 2017 e 2018, o mercado global de smartphones encolheu e em 2018 continuou a diminuir. Os dados que temos mostram que essa tendência não está a diminuir em 2019.

Isso é uma má notícia para uma empresa que se baseia em expandir o seu território vendendo para cada vez mais países - a Xiaomi assumiu erradamente que as vendas globais de smartphones cresceriam e criariam um bolo cada vez maior que seria dividido entre as principais fabricantes.

Há também a pressão contínua que a Xiaomi tem enfrentado dos concorrentes - alguns antigos, como a Huawei e Honor e algumas novas, como a Realme da Oppo, que procura atacar diretamente a linha Redmi da Xiaomi. Isso sem falar na Vivo, Samsung, LG e várias marcas regionais disponíveis na índia e China, os maiores mercados da Xiaomi.

A competição não demorou muito para descobrir o que a Xiaomi estava a fazer bem - e copiar. E o que a Xiaomi estava a fazer não foi díficil de copiar: criar smartphones com bons componentes e, em seguida, vende-los a preços muito baixos.

O Ecosistema de produtos e serviços pode ser a garantia de futuro

A Xiaomi há muito tempo que trabalha em criar um ecosistema de aplicações e produtos que fidelizem os clientes á marca Mi.  De panelas de arroz a TVs, aspiradores, projetores inteligentes , purificadores de ar, a Xiaomi parece ter um produto Mi Ecosystem para cada necessidade.

Mas, apesar de todos esses esforços a verdade é que a Xiaomi não é tão especial quanto o hype inicial fazia acreditar. A Xiaomi faz smartphones - e isso faz muito bem. E talvez na China, o seu ecossistema de produtos e serviços seja atraente e competitivo o suficiente para se destacar. Mas no resto do mundo, particularmente no ocidente, as vendas on-line, os serviços e os produtos de consumo em geral são indústrias muito evoluídas e mais exigentes. Com a principal fonte de receita da Xiaomi a enfrentar um mercado cada vez menor, parece menos provável do que nunca que as suas ambições de chegar a cada vez mais países ocidentais se venham a concretizar.

Se o valor em bolsa da Xiaomi for um indicador a considerar a  Xiaomi será em breve apenas aquilo que sempre foi, uma empresa que vende smartphones baratos.

 

Este Website usa cookies para providenciar uma melhor experiência. Pode recusar se desejar. Aceitar Saber Mais