5 dicas de ouro para construir a casa inteligente dos vossos sonhos

Porque a domótica torna a nossa vida mais fácil. Por muito sedutor que pareça, não tenho a certeza de concordar totalmente com essa ideia.

Construir uma casa inteligente é uma ótima ideia. Porquê? Porque a domótica torna a nossa vida mais fácil.

Por muito sedutor que pareça, não tenho a certeza de concordar totalmente com essa ideia. Já testei inúmeros produtos de domótica ao longo dos anos, e nem tudo foi fácil.

Embora agora a minha casa seja agora muito mais inteligente, foi um percurso difícil. Com dezenas de protocolos de comunicação, conseguir uma experiência coesa é difícil mesmo para um entusiasta da tecnologia.

Embora não possa garantir que tudo vai ser fácil para vocês, posso partilhar a minha experiência e idealmente poupar-vos alguns dos erros que eu cometi.

Aqui estão cinco dicas que aprendi ao construir a minha própria casa inteligente que poderá ajudar-vos a construir o vosso próprio paraíso automatizado.

1. Wi-Fi não é suficiente- experimentem Zigbee ou Z-Wave em vez disso

5 dicas de ouro para construir a casa inteligente dos vossos sonhos 1

A conectividade está no coração de qualquer casa inteligente, por isso vamos falar primeiro sobre isso. Existem quatro grandes protocolos domésticos inteligentes em uso hoje em dia: Wi-Fi, Bluetooth, Zigbee, e Z-Wave.

Zigbee e Z-Wave são protocolos sem fios como Wi-Fi, mas funcionam de forma muito diferente. São redes em malha – os dispositivos ligam-se e trocam informações entre si. Os dispositivos Wi-Fi, por outro lado, ligam-se apenas a um router central e ignoram-se mutuamente na sua maioria.

Ainda será necessário um Hub Zigbee e Z-Wave, mas pode ser colocado a várias salas de distância. Desde que tenham dispositivos colocados pelo caminho, eles não terão problemas em comunicar entre si.

Mas porque não Wi-Fi se tivermos um sinal decente em toda a casa? Bem, os dispositivos baseados em Wi-Fi envolvem quase sempre um processo de emparelhamento que os liga ao servidor do fabricante. Para além das implicações de privacidade e segurança, isto pode levar a fragmentação, se não tiverem cuidado nas escolhas que fazem.

Imaginem isto: Metade dos vosso dispositivos podem ser controlados dentro de uma aplicação, enquanto os restantes vivem em outro ecossistema. Não é muito conveniente? O que é pior – as automatizações estão ligadas a aplicações individuais, pelo que não é possível configurar produtos de fabricantes diferentes para sincronizar entre si. Enfim, dores de cabeça.

Os dispositivos Wi-Fi também não respondem muito rapidamente na minha experiência. Ligar ou desligar algo deveria ser tão instantâneo como ligar ou desligar um interruptor. No entanto, a grande maioria dos dispositivos Wi-Fi insiste no controlo lento baseado na Internet – mesmo que se esteja na mesma rede local.

Zigbee e Z-Wave não se ligam directamente à Internet, e a lógica de automatização é normalmente processada localmente. Ambos são também protocolos padronizados, pelo que um único hub pode comunicar com dispositivos de diferentes fabricantes. Menos aplicações? Música para os meus ouvidos.

Outras vantagens em relação ao Wi-Fi incluem a fiabilidade e o consumo de energia. Esta última é a razão pela qual os sensores Zigbee são muito mais pequenos – não precisam de uma bateria maciça!

Os dispositivos Wi-Fi são mais baratos, mas resistam à tentação. Protocolos como Zigbee e Z-wave tendem a funcionar muito melhor, e a paz de espírito vale a diferença de preço.

2. Os altifalantes inteligentes não são suficientes para uma verdadeira automatização

5 dicas de ouro para construir a casa inteligente dos vossos sonhos 2

Embora o marketing possa levar-vos a acreditar que as colunas inteligentes como o Google Home e Alexa são perfeitos para casas inteligentes, eles são muito limitados quando se trata de automatização real.

As rotinas do Google Assistant, que permitem configurar automatizações, não são processadas ou executadas localmente. Por outras palavras, se a ligação à Internet falhar, a rotina diária à noite para ligar as luzes também deixará de funcionar.

Além disso, a plataforma “casa conectada” do Google não é tão completa como um centro doméstico inteligente dedicado. Não suporta sensores de porta ou de movimento, por exemplo, pelo que não se pode dar a ordem de luzes acesas quando se entra numa sala. Os gatilhos de dispositivos cruzados também estão ausentes das rotinas. Isto significa que nem sequer se pode fazer algo tão básico como automatizar um ar condicionado com base na temperatura da sala.

Tecnicamente é possível utilizar dispositivos Nest como sensores de presença, mas estes não funcionam numa base de por sala. Por outras palavras, só pode ter automatismos que disparam quando saimos de casa ou regressamos.

Ainda faltam algumas funcionalidades críticas de automação doméstica nas rotinas do Google Assistant.

Vale a pena notar que a linha Echo da Amazon oferece uma funcionalidade ligeiramente melhor a este respeito. O Echo Show e o Echo Plus incluem ambos um protocolo Zigbee, o que lhe permite utilizá-los como um Hub. Embora a funcionalidade seja ainda um pouco limitada em comparação com um hub Zigbee dedicado, as rotinas da Amazon são um pouco mais polidas. Até temos a funcionalidade básica de comando de voz enquanto estamos offline. Dito isto, tenham em mente que dispositivos Echo mais baratos só podem automatizar dispositivos baseados em Wi-Fi.

Continuo a adorar as minhas colunas inteligentes, mas apenas como controlo remoto ou sistema áudio em várias divisões.

3. Escolha cuidadosamente o seu Hub!

5 dicas de ouro para construir a casa inteligente dos vossos sonhos 3

Agora que detalhámos as razões pelas quais poderá ser uma boa ideia querer um Hub dedicado na construção de uma casa inteligente, vamos analisar as opções. Este é um dispositivo a que tudo o resto na sua casa se liga, pelo que a fiabilidade e a facilidade de utilização são de extrema importância.

Existem essencialmente dois tipos de hubs – os que estão bloqueados a um fabricante e os que se ligam a quase tudo. Os ecossistemas fechados prometem muitas vezes uma experiência de utilização mais curada; no entanto, descobri que isso é apenas marketing que fala de protocolos proprietários, autocolantes de “certificação”, ou preços inflacionados.

Qual é o Hub e protocolo que se deve escolher se se está apenas a começar?

  • SmartThings: Desenvolvido pela Samsung, o SmartThings é fácil de utilizar e intuitivo. É compatível com uma vasta gama de produtos Zigbee e Z-Wave, e até suporta plugins desenvolvidos pela comunidade para dispositivos fora da linha mainstream.
  • Home Assistant: Embora o Home Assistant seja a plataforma mais poderosa e configurável desta lista, infelizmente não é muito fácil para principiantes. Como a maioria dos projectos de código aberto, no entanto, tem uma enorme comunidade que está sempre a acrescentar novas funcionalidades e dispositivos.
  • Hubitat: Embora o Hubitat seja um dos mais pequenos da indústria do lar inteligente, combina os melhores aspectos do SmartThings e do Home Assistant. É simples, rico em características, e controlado localmente. Hubitat orgulha-se da sua capacidade de personalização e excelente suporte de dispositivos.
  • HomeKit: A plataforma HomeKit da Apple é surpreendentemente rica em características e versátil. O HomeKit transforma os seus dispositivos num hub – por isso um HomePod, Apple TV, ou iPad é tudo o que precisam. O lado positivo é que os dispositivos e automatizações são controlados localmente, ao contrário do HomeKit do Google. O lado negativo? Sem suporte Zigbee ou Z-Wave – vão precisar de um hub separado para esses protocolos. Mesmo assim, elimina a fragmentação do Wi-Fi e os males do controlo local.

4. As casas inteligentes não têm de ser caras.

 

Assumindo que escolheram ZigBee ou Z-Wave como o protocolo de casa inteligente, não há razão para se cingir a uma marca ou ecossistema. Por exemplo, tanto o SmartThings como o HomeKit mantêm uma lista de marcas de parceiros e dispositivos compatíveis nos seus respectivos websites. Hubitat e Home Assistant não oferecem certificações devido à sua natureza aberta, mas trabalham com mais dispositivos do que seria de esperar.

5 dicas de ouro para construir a casa inteligente dos vossos sonhos 4

Porque é que isto é importante? Por exemplo, os sensores de movimento. Se possuir um Hub SmartThings, as escolhas são infinitas.

Se for um pouco mais aventureiro, opções menos conhecidas como o Aqara da Xiaomi, o Sonoff da eWelink, e as plataformas Trådfri do Ikea também valem a pena a vossa atenção. Na minha experiência, os dispositivos destas marcas quase sempre fornecem resultados aceitáveis a uma fracção do custo.

A compatibilidade nem sempre é garantida, claro, mas uma simples pesquisa no Google ou duas podem acabar por vos poupar muito dinheiro.

Os produtos Ikea e Xiaomi smart home oferecem um desempenho aceitável a preços impressionantemente baixos.

Existem algumas exceções, claro. A Philips Hue é um exemplo disso. É extremamente fácil de montar, mas o ecossistema não é muito aberto. É possível emparelhar muitos dispositivos Zigbee de terceiros com Hue, mas a menos que sejam certificados ao abrigo do programa “Friends of Hue”, a funcionalidade não é garantida. Os acessórios oficiais Hue como sensores também não são baratos porque não há muitas alternativas disponíveis. Sem surpresas, a maioria das pessoas que conheço que usam Hue acabaram simplesmente por comprar um segundo hub para outros dispositivos.

5. A nuvem não é fiável: as casas inteligentes precisam de controlo local

 

Uma vez que tenham as vossas automatizações em funcionamento, poderão ver-se tentados a livrar-se dos interruptores de luz “velhos”. Afinal de contas, não querem que alguém desligue as vossas luzes inteligentes e interrompa as automatizações, certo? Bem, não é assim tão simples.

A menos que vivam sozinhos, é importante que a inteligência da casa seja tão discreta quanto possível. O que funciona bem para vocês provavelmente não é a escolha ideal para outra pessoa. E a última coisa que queremos é um membro da família ou convidado nem sequer consiga acender uma luz. Confiem em mim – isto já me aconteceu e continua a acontecer.

Outro ponto a considerar é que as interrupções do lado servidor são extremamente comuns. Mesmo em grandes nomes como Hue, Tuya, e GE tendem a ficar off-line de vez em quando. Ligações nuvem a nuvem como Google-Hue falharam-me várias vezes, apesar de ambas as plataformas terem funcionado bem através das suas respectivas aplicações.

Em suma, desenhem o vosso sistema de automação tendo em mente a funcionalidade offline. Isto, claro, começa com a escolha de um hub que não se transforma num pisa-papéis na ausência de uma ligação à Internet. Quanto ao controlo manual, os comutadores continuam a ser a melhor opção.

Esperemos que a minha parca experiência em casa inteligente vos possa ser útil e se pouparem um euro que seja com alguma destas dicas, então já valeu a pena passar a tarde de domingo a escrever este artigo.

Leiam as últimas notícias do mundo da tecnologia no Google News , Facebook  e Twitter e também no nosso Grupo de Telegram
Todos os dias vos trazemos dezenas de notícias sobre o mundo Android em Português. Sigam-nos no Google Notícias. Cliquem aqui e depois em Seguir. Obrigado!