Twitter com um ENORME problema em mãos – Publicidade em dezembro caiu 70%

Musk comprou o Twitter por 44 mil milhões de dólares em outubro do ano passado, e desde então tem implementado uma série de novas políticas e procedimentos, como despedimentos em massa, verificação paga, reinstaurar contas proibidas, uma política de não doxing e a proibição de ligações a outras aplicações das redes sociais que competem com o Twitter.

Parece que o Twitter está a travar uma batalha perdida com os seus anunciantes, uma vez que a quantidade de dinheiro que fez com anúncios durante um dos meses mais bem sucedidos e lucrativos, dezembro, caiu mais de 70%. Os meses de novembro e dezembro são os meses do ano em que empresas e marcas desproporcionam os seus orçamentos publicitários de forma a colher os benefícios financeiros da época natalícia.

No entanto, dados recentes fornecidos pelo SMI (Standard Media Index via Reuters) revelam que os gastos de anúncios do Twitter caíram 55% no mês de novembro, e as vendas de anúncios da plataforma caíram quase 71% no mês de dezembro. Esta queda significativa pode ser atribuída às mudanças de política significativas que o CEO Elon Musk implementou recentemente.

Twitter com um ENORME problema em mãos - Publicidade em dezembro caiu 70% 1

Após a aquisição de Musk, as principais marcas decidiram suspender a sua publicidade no Twitter.

Musk comprou o Twitter por 44 mil milhões de dólares em outubro do ano passado, e desde então tem implementado uma série de novas políticas e procedimentos, como despedimentos em massa, verificação paga, reinstaurar contas proibidas, uma política de não doxing e a proibição de ligações a outras aplicações das redes sociais que competem com o Twitter.

Assim que Musk assumiu o controlo, grandes empresas como a General Motors Company, a Pfizer Inc., a Ford Motor Company e a AMC Networks Inc. suspenderam as suas campanhas publicitárias no Twitter. Desde então, mais de mil anunciantes decidiram deixar de trabalhar com a empresa. O Twitter teve um impacto financeiro significativo como resultado desta evolução, porque a maior parte das suas receitas provêm da publicidade.

Twitter com um ENORME problema em mãos - Publicidade em dezembro caiu 70% 2

O Twitter perdeu muitos anunciantes devido à incerteza causada pelas políticas de Elon Musk em relação à transformação da empresa. Por exemplo, como parte dos despedimentos generalizados, o Twitter despediu a maioria da sua equipa de publicidade, incluindo os dois principais colaboradores que estavam encarregues de networking e garantindo relações positivas com as marcas das empresas. Apenas um mês depois de Musk ter sido nomeado CEO do Twitter, o chefe das operações da British Ad decidiu deixar a empresa em novembro.

Os anunciantes receavam que os utilizadores aleatórios pudessem fazer-se passar por marcas conhecidas e enganar o público em geral em resultado da nova política de verificação paga, pelo que protestaram contra a política. Como resultado da aquisição de Musk, as marcas de automóveis estão em estado de pânico por estarem preocupadas que os dados que partilharam com o Twitter possam ser transmitidos a empresas rivais detidas por Musk, como a Tesla.

Musk tem sido muito público nas suas críticas a um dos maiores anunciantes do Twitter, que fez uma pausa temporária e reduziu a quantidade de dinheiro que gasta em anúncios. Musk criticou as políticas de censura da Apple, bem como o seu corte de 30% no preço na App Store. A vergonha pública, por outro lado, não trouxe quaisquer benefícios significativos para a empresa, como resultado do qual muitas mais marcas deixaram o Twitter.

Vai gostar de saber:  Novo Tablet Vivo Pad3: Snapdragon 8s Gen 3, 144Hz e mais

Twitter com um ENORME problema em mãos - Publicidade em dezembro caiu 70% 3

Musk está bem ciente de que as receitas publicitárias são a força vital da empresa, e tem feito esforços para reconquistar as marcas. Musk ofereceu anúncios gratuitos, aumentou o controlo sobre o posicionamento de anúncios, e até removeu a proibição de publicidade política, num esforço para atrair anunciantes adicionais e aumentar a quantidade de receitas geradas a partir de anúncios.

Em 2019, o então CEO do Twitter, Jack Dorsey, deu o controverso passo de proibir anúncios políticos na plataforma, citando a sua convicção de que influenciar pessoas com mensagens políticas deve ser “merecido, não comprado”. Mas, a partir de agora, Musk levantou a proibição e afirmou que o Twitter vai alinhar as suas políticas de anúncios com as da TV e de outros meios de comunicação.

Musk tornou os seus comentários públicos em novembro, enquanto discursava numa das conferências de investimento realizadas em Nova Iorque. Ele afirmou que, apesar dos melhores esforços da equipa, eles não têm sido capazes de conquistar os anunciantes. Ao mesmo tempo, Musk culpou os grupos ativistas por pressionarem as marcas a removerem anúncios das plataformas das redes sociais. Disse que esta pressão veio de grupos ativistas.

Twitter com um ENORME problema em mãos - Publicidade em dezembro caiu 70% 4

Elon Musk olha para modelos de receitas alternativas

Musk está a tentar revitalizar o Twitter, mudando o foco da estratégia de receitas da empresa de anúncios para subscrições, tendo em conta a recente queda das receitas publicitárias. O Twitter já começou a cobrar 8 dólares por mês pelo Blue Verification Tick (que custa 11 dólares para iOS e Android), e a empresa está a planear lançar um nível de subscrição sem anúncios num futuro próximo.

Musk está alegadamente a planear que as subscrições compõem 50% das receitas totais do Twitter, como afirmou um dos vice-presidentes da empresa. No entanto, de acordo com os resultados de um inquérito realizado pela empresa global de marketing e consultoria Harris Poll, metade das pessoas que usam o Twitter nos Estados Unidos não estão dispostas a pagar para continuar a usar o site.

Leiam as últimas notícias do mundo da tecnologia no Google News , Facebook  e Twitter e também no nosso Grupo de Telegram
Todos os dias vos trazemos dezenas de notícias sobre o mundo Android em Português. Sigam-nos no Google Notícias. Cliquem aqui e depois em Seguir. Obrigado!
Através de reuters