Android Geek
O maior site de Android em Português

Samsung Galaxy J7 (2017) apanhado em teste de benchmark

Agora que a Samsunglançou oficialmente a série Galaxy A (2017), aguardamos que a fabricante sul coreana também anuncie os dispositivos da série Galaxy J (2017) em algum momento num futuro próximo. Estes aparelhos mais acessíveis têm sido vistos constantemente as suas especificações aparecem na rede, tal como algumas imagens. E enquanto a maioria dos leaks até agora têm sido sobre o Galaxy J3 (2017), acabamos por ser lembrados que o Galaxy J7 (2017) também faz parte desse conjunto de equipamentos, e que deverá estar prestes a ser apresentado.

Alguém na posse de um protótipo do J7 (2017) correu o Geekbench 4 no telefone, e como é habitual isso resultou em algumas informações sobre o telefone ficarem disponíveis na base de dados do resultado do benchmark.

Por isso, e tendo em conta o resultado do teste em questão que podemos ver acima, o Galaxy J7 (2017) de momento está a executar o Android 7.0 Nougat, por isso tudo indica que a Samsung lançará o equipamento com essa versão do sistema operativo, ao contrário do Marshmallow que vem nos Galaxy A (2017). O J7 (2017) será alimentado pelo Snapdragon 625 da Qualcomm, que normalmente possui uma CPU octa-core Cortex-A53 a 2 GHz, mas que neste teste de benchmark aparenta esta "overclockado" para 2,21 GHz. O SoC vem com o GPU Adreno 506 GPU embutido, e o J7 (2017) vem também com 2GB de RAM.

Alias essa é a mesma quantidade de memória que possui o seu antecessor, o Galaxy J7 (2016) , mas o chipset utilizado representa uma melhoria significativa em comparação com o Snapdragon 617 no modelo do ano passado.
Antigos rumores davam conta que o dispositivo viria com um ecrã Super Amoled de 5,5 polegadas com resolução FullHD (1080p), conta a o resolução HD (720p) do modelo do ano passado. Também é dito possuir uma câmara principal de 13 MPx, e uma frontal de 5 MPx, tal como uma bateria de 3.000 mAh. Essa capacidade seria 10% menor do que a presente no Galaxy J7 (2016), mas a autonomia deverá manter-se, visto que o conjunto especulado de hardware têm uma melhor eficiência energética.