Apple despede trabalhadora que apresentou queixa por assédio no trabalho

A, agora ex funcionária, relata as suas experiências com sexismo e preocupações com a segurança no local de trabalho.

Há menos de duas semanas, Ashley Gjøvik apresentou uma queixa no equivalente ao Tribunal de Trabalho dos EUA onde acusa o empregador, a Apple, de retaliação ilegal. A, agora ex funcionária, relata as suas experiências com sexismo e preocupações com a segurança no local de trabalho. A empresa queria que ela parasse.

Na quinta-feira, foi demitida.

Apple despede trabalhadora que apresentou queixa por assédio no trabalho 1

Gjøvik é uma dos dois funcionários que fizeram acusações contra a Apple no mês passado no Conselho Nacional de Relações Laborais dos EUA, alegando assédio e intimidação da empresa. (A agência investiga todas as acusações e prossegue com aquelas que pode provar.) As queixas seguem uma rara explosão de ativismo de alguns funcionários da Apple, que se manifestaram no mês passado sob a hashtag #AppleToo - uma referência aberta ao movimento Me Too de 2017, que derrubou homens poderosos há muito imunes a alegações de má conduta.

Os funcionários, que disseram que pretendiam expor padrões de discriminação e abuso dentro da Apple, disseram que isso foi ignorado demasiado tempo.

Numa carta a explicar a demissão de Gjøvik, a Apple acusa a (ex) gestora sénior do programa de engenharia de divulgar "informações confidenciais relacionadas ao produto", acrescentando que ela "falhou em cooperar" durante o "processo de investigação".

Ashley Gjøvik, funcionária demitida após apresentar queixa de assédio
Ashley Gjøvik, funcionária demitida após apresentar queixa de assédio

Gjøvik, que acusou publicamente a Apple de ignorar o assédio de um gestor e de a sujeitar a condições de trabalho hostis, disse por telefone que não sabia nada sobre as “informações confidenciais” que foi acusada de divulgar.

Foi a Apple, disse ela, que desconsiderou as suas tentativas de cooperação.

Os e-mails da empresa partilhados com o site Gizmodo mostram que a Apple havia entrado em contato com Gjøvik por e-mail na tarde de quinta-feira pedindo para "entrar em contacto" com "o mais rápido possível ". “Estamos a investigar um assunto delicado de propriedade intelectual sobre o qual gostaríamos de falar consigo”, dizia o primeiro e-mail que ela recebeu.

Relacionado:  Estes são os iPhone 13.Especificações, recursos, preço, data de lançamento

"Feliz por ajudar!" Gjøvik respondeu minutos depois, com uma ressalva: Ela queria manter a comunicação por e-mail, “ mantemos tudo escrito, por favor”.

Quase uma hora se passou. Quando a Apple respondeu, pareceu ignorar totalmente o pedido de Gjøvik - e o acordo entusiástico em cooperar. “Como optou por não participar da discussão, seguiremos adiante com as informações de que dispomos e, dada a gravidade dessas alegações, suspendemos o acesso aos sistemas Apple”, dizia a resposta.

Gjøvik reiterou: “Conforme mencionado, estou disposta a participar da investigação”, acrescentando: “Ofereci-me para ajudar por e-mail para garantir que temos um documento [registo] das nossas conversas, considerando tudo o que está a acontecer atualmente com as queixas dos trabalhadores. ”

Gjøvik acrescentou: “Eu gostaria da oportunidade de resolver quaisquer problemas reais. Por favor, digam-me quais são os problemas para que eu possa fazer uma tentativa de boa fé em eclarecer. ” Se a empresa continuasse a referir vagamente acusações contra ela, escreveu, consideraria isso mais uma prova de retaliação.

As respostas por e-mail da Apple pararam. Horas depois, ela estava desempregada.

A carta de rescisão, repete a mesma acusação ambígua e aponta que a ex funcionária “falhou em cooperar e em fornecer informações precisas e completas durante o processo de investigação da Apple”.

Numa declaração ao The Verge, a empresa aponta que não comenta “Assuntos específicos de funcionários”.

Sabemos que a Apple é grande e tem muito poder, mas esperamos que isso não signifique que esta acima da lei. Vamos ver como se desenrola a situação.

Leiam as últimas notícias do mundo da tecnologia no Google News , Facebook  e Twitter e também no nosso Grupo de Telegram
Todos os dias vos trazemos dezenas de notícias sobre o mundo Android em Português. Sigam-nos no Google Notícias. Cliquem aqui e depois em Seguir. Obrigado!