Android Geek
O maior site de Android em Português

Huawei usa o poder da IA para finalizar a “Unfinished Symphony” de Schubert

Conhecida como “Unfinished Symphony”, permaneceu incompleta durante 197 anos e, apesar de inúmeras tentativas, continua a ser uma das peças mais intrigantes entre a música clássica inacabada de todos os tempos. A versão completa Huawei da Sinfonia nº 8 da Schubert foi criada através da execução de um modelo de Inteligência Artificial que beneficia diretamente o poder de processamento do dual NPU (Neural Processing Unit) do smartphone Huawei Mate20 Pro

A Huawei juntou, pela primeira vez, o poder da Inteligência Artificial (IA) com a perícia humana, para compor os dois últimos movimentos da famosa Sinfonia nº 8 de Schubert. Conhecida como “Unfinished Symphony”, permaneceu incompleta durante 197 anos e, apesar de inúmeras tentativas, continua a ser uma das peças mais intrigantes entre a música clássica inacabada de todos os tempos.

Huawei usa o poder da IA para finalizar a "Unfinished Symphony" de Schubert 1

A versão completa Huawei da Sinfonia nº 8 da Schubert foi criada através da execução de um modelo de Inteligência Artificial que beneficia diretamente o poder de processamento do dual NPU (Neural Processing Unit) do smartphone Huawei Mate20 Pro – desenvolvido especificamente para tarefas baseadas em IA. Analisando o timbre, o tom e as métricas dos primeiros e segundos movimentos existentes da sinfonia, o modelo de IA gerou a melodia para os movimentos finais e ausentes, correspondentes aos terceiros e quartos movimentos. A Huawei trabalhou neste projeto com o compositor vencedor do Emmy, Lucas Cantor, de forma a organizar uma partitura da melodia fiel ao estilo da Sinfonia nº 8 de Schubert. 

Huawei usa o poder da IA para finalizar a "Unfinished Symphony" de Schubert 2

“Na Huawei procuramos sempre formas de a tecnologia poder tornar o mundo num lugar melhor. Por isso, ensinámos o nosso smartphone Mate20 Pro a analisar uma peça inacabada com quase 200 anos e a finalizá-la ao estilo do seu compositor original”, explica Walter Ji, Presidente da CBG Huawei Western Europe, acrescentando que “usámos o poder da IA para alargar os limites do que é humanamente possível e ver o papel positivo que a tecnologia pode ter na cultura moderna. Se o nosso smartphone for suficientemente inteligente para fazer isso, o que mais será possível?”

Lucas Cantor, compositor que em parceira com a Huawei terminou Sinfonia nº 8 de Schubert, explica que “o meu papel foi retirar as boas ideias da IA e preencher as lacunas de forma a garantir que o resultado final estivesse pronto para ser tocado por uma orquestra. O resultado desta colaboração com a IA prova que a tecnologia oferece possibilidades incríveis e o impacto significativo e positivo que ela pode ter na cultura moderna”.

A peça final, concluída pela Huawei, foi apresentada ao vivo no icónico Cadogan Hall, em Londres, na segunda-feira, dia 4 de fevereiro.

A Sinfonia nº 8 em Si menor, de Schubert, é considerada a arquetípica “Unfinished Symphony”. Os musicólogos ainda estão em desacordo sobre o motivo pelo qual Schubert não conseguiu completar a peça, alguns citam sua saúde debilitada, outros afirmam que ele se distraiu com o trabalho que tinha em curso, mas o que é consensual é que ele estava a traçar um novo terreno musical com esta peça.

Partilha com os teus amigos!

Obrigado pela visita!

Este Website usa cookies para providenciar uma melhor experiência. Pode recusar se desejar. Aceitar Saber Mais

Partilha com os teus amigos!

Obrigado pela visita!
close-link