Huawei começará a concentrar-se em países emergentes para fintar os EUA

Ambas as empresas chegaram a um entendimento para trabalhar em cooperação para resolver as coisas.

É por isso que Huawei, penalizado pelo veto dos Estados Unidos, está a estudar para dar uma volta bastante importante na sua estratégia de crescimento.

As tensões entre os Estados Unidos e a China não são novas, e após os últimos acontecimentos no Afeganistão, parece que não irão desaparecer. É por isso que Huawei, penalizada pelo veto dos Estados Unidos, está a estudar uma forma de dar uma volta bastante importante na sua estratégia de crescimento. Embora não mergulhemos na geopolítica e na economia internacional, devemos lembrar que nas próximas décadas os países agora considerados semi-desenvolvidos adquirirão uma relevância muito maior do que a actual. E é aí que a Huawei irá concentrar o seu crescimento futuro. A África e o Médio Oriente serão fundamentais para a Huawei.

Huawei-e-Verizon-chegam-a-um-acordo-sobre-caso-de.jpg
Ambas as empresas chegaram a um entendimento para trabalhar em cooperação para resolver as coisas.

 

A marca chinesa está a concentrar-se no crescimento em países onde o veto dos Estados Unidos aos seus smartphones e redes 5G não é tão poderoso como no Ocidente. A China tem uma influência crescente na Ásia e África quer consolidar esta relevância, ao contrário dos Estados Unidos, que a têm na Europa e na América Latina. Actualmente, existem marcas que fabricam e vendem directamente em África, mas nenhum dos gigantes mundiais prestou muita atenção a este continente; muito provavelmente devido aos custos de implementação. A Huawei está a criar infra-estruturas neste continente e parece que será uma das pontas de lança da nova política chinesa, que se posiciona cada vez mais como um rival dos Estados Unidos. Evidentemente, em termos de fabrico de smartphones baratos, a actual escassez de processadores pode atrasar a empresa.

Relacionado:  Há 106 modelos de telefones Huawei a correr o sistema operativo HarmonyOS

Centros de dados no Senegal: No início de Junho, o Senegal inaugurou um novo centro de dados para as suas telecomunicações. Foi construído graças a um empréstimo do governo chinês e a Huawei forneceu os elementos técnicos necessários. Este tipo de movimento é o que nos leva a pensar que dentro de algumas décadas o país asiático terá mais influência global do que os Estados Unidos. Naturalmente, a colaboração da China vem de mãos dadas com  alguma pressão para pagar estes empréstimos, e o Senegal é apenas um de muitos exemplos.

 

Fonte

Leiam as últimas notícias do mundo da tecnologia no Google News , Facebook  e Twitter e também no nosso Grupo de Telegram
Todos os dias vos trazemos dezenas de notícias sobre o mundo Android em Português. Sigam-nos no Google Notícias. Cliquem aqui e depois em Seguir. Obrigado!