Android Geek
O maior site de Android em Português

Google Pixel 6 pode estrear o seu próprio chipset, de nome interno Whitechapel

Rumores que remontam ao início de 2020 afirmavam que a Google poderia estar a trabalhar com a Samsung para construir os seus chipsets Whitechapel. A publicação deparou-se com um certo documento que diz que os telefones Pixel que chegam no outono e que estarão equipados com o processador Whitechapel.‎

‎Espera-se que a ‎‎Google‎‎ anuncie os sucessores do Pixel 5 em outubro deste ano. Em outubro do ano passado, o CEO da Google, Sundar Pichai, tinha dito durante o 3º trimestre de 2020 que a empresa está a fazer "investimentos mais profundos em hardware" e que tem um cronograma planeado para 2021. Na altura, muitos interpretaram que a empresa poderia estar a trabalhar no seu próprio processador com o nome de código "Whitechapel". Agora novas informações partilhadas pelo ‎‎ ‎‎9to5Google‎‎ ‎‎revelam que os smartphones Pixel que chegam no outono podem ser um dos primeiros smartphones a apresentar o chipset "GS101" Whitechapel. Assim, parece que a série Pixel 6 poderá não contar com o chipset Snapdragon da Qualcomm.‎

google-android.jpg

‎Tal como os utilizadores da Apple têm o seu próprio chipset para equipar os seus dispositivos iPhone e Mac, a Google também é dito estar a trabalhar no seu próprio chipset para os seus smartphones e Chromebooks. Rumores que remontam ao início de 2020 afirmavam que a Google poderia estar a trabalhar com a Samsung para construir os seus chipsets Whitechapel. A publicação deparou-se com um certo documento que diz que os telefones Pixel que chegam no outono e que estarão equipados com o processador Whitechapel.‎

‎Internamente, o chipset Whitechapel para telefones Pixel de próxima geração é referido pela Google como "GS101", onde "GS" provavelmente significa "Google Silicon". Uma referência para o nome de código "Slider" encontrado na aplicação da Google Camera é dito ser uma plataforma partilhada para o chipset Whitechapel. Outros produtos associados ao "Slider" revelam que está ligado ao chipset Exynos da Samsung. Tudo indica que o chip GS101 está a ser construído com a divisão de integração em larga escala de sistema da gigante tecnológica sul-coreana (SLSI). Isto indica que os chips da Google podem ter algumas funcionalidades comuns com os Exynos da Samsung.‎

Relacionado:  Samsung Galaxy S21 FE aparece em imagens 360

Google Pixel 6 pode estrear o seu próprio chipset, de nome interno Whitechapel 1

‎A publicação afirma que os telefones da Google chamados de "Raven" e "Oriole" são suspeitos de serem os primeiros telefones a chegar com a plataforma Slider. Estes telefones podem acabar como sendo smartphones da série Pixel 6.‎

‎De acordo com o ‎XDA Developers,‎ ‎‎o desempenho do GS101 poderá estar a par do chipset da série Snapdragon 7. O chip ARM de 5nm octa-core pode incluir dois núcleos de CPU córtex-A78, dois núcleos Cortex-A76 e quatro núcleos Cortex-A55, juntamente com um GPU ARM Mali. Equipar os smartphones Pixel com o seu próprio chipset irá fornecer à Google um melhor controlo sobre as atualizações dos controladores uma vez que já não estaria a contar com a Qualcomm para o mesmo. Os controladores podem ser compatíveis com as edições mais recentes do Android por mais tempo. Atualmente, os dispositivos Pixel suportam 3 anos de atualizações do Android. Mas assim desta forma os próximos telemóveis Pixel com o próprio chipset da Google podem obter 5 gerações de atualizações de SO.‎

Todos os dias vos trazemos dezenas de notícias sobre o mundo Android em Português. Sigam-nos no Google Notícias. Cliquem aqui e depois em Seguir. Obrigado!