Android Geek
O maior site de Android em Português

Nova tecnologia de desbloqueio de rosto estará disponível em breve em smartphones chineses

A Q Technology, empresa que está a desenvolver módulos de scan 3D de luz estruturada para smartphones, afirma que alcançou um avanço no desenvolvimento e agora está a iniciar a produção de 1 milhão de módulos, encomendados por uma empresa chinesa que fabrica smartphones. Embora essas informações não sejam exatamente empolgantes, vale a pena analisar o que é a digitalização 3D com iluminação estruturada e para que será usada.

O objectivo não irá surpreender, a digitalização 3D na indústria de smartphones geralmente significa desbloqueio facial. Mas quais as diferenças para o Apple Face ID e outras tecnologias semelhantes?

A digitalização 3D com luz estruturada não é uma novidade, existem até guias sobre como fazer um scanner que usa esse princípio.

Como outros scanners, essa tecnologia requer duas partes principais para funcionar: o hardware para recolher os dados e o software para entender a informação recolhida. Existem muitas variantes de scanners de luz estruturada, mas os componentes básicos são estes:

  1. Fonte de luz
  2. Uma ou mais câmaras
  3. Software

A fonte de luz projeta um ou vários padrões em rápida sucessão no objeto enquanto as câmaras gravam. Esses padrões podem ser tão simples quanto linhas paralelas ou cruzadas. O software sabe como os padrões projetados aparecem numa superfície plana e usa as gravações dos padrões distorcidos para construir uma superfície 3D que corresponda à distorção.

A maneira como o FaceID da Apple funciona é projetando milhares de minúsculos pontos infravermelhos na face do utilizador, calculando a posição no espaço e criando um modelo de malha ligando os pontos. Este modelo é comparado ao criado ao configurar a função e, se a correspondência estiver próxima o bastante, ele desbloqueia o dispositivo.

Os benefícios da digitalização com luz estruturada são que o modelo 3D resultante é muito mais preciso. O software não apenas conecta pontos, calcula curvaturas de superfícies e cria modelos muito realistas, como o utilizador pode ver neste exemplo do gomeasure3D.com:

Isto foi feito por um scanner de mão muito maior do que um smartphone, mas acreditamos que o avanço da Q Technology permitirá que o processo funcionecom velocidade e precisão suficientes em hardware de nível de smartphone.

A empresa também informou que conseguiu grandes melhorias nos seus scanners de impressões digitais e recebeu um pedido de 7 milhões de unidades pela mais recente versão de outro fabricante chinês de smartphones.

É muito cedo para dizer como estas novas implementações se comparam ao que já temos, mas se a informação for verdadeira, poderemos descobrir em breve.

através da: DigiTimes

 

Este Website usa cookies para providenciar uma melhor experiência. Pode recusar se desejar. Aceitar Saber Mais