Greve contra Tesla intensifica-se na Suécia: Impactos e Perspectivas

Sindicatos suecos unem forças para pressionar a Tesla a assinar um acordo de negociação coletiva com seus mecânicos, numa tentativa de defender o modelo de sindicalização laboral do país.

Na terça-feira, sindicatos em toda a Suécia expressaram o seu apoio à pressão exercida sobre a gigante automóvel Tesla, no sentido de firmar um acordo colectivo com os seus 120 mecânicos. Esta enérgica campanha visa defender o modelo consagrado de trabalho organizado sueco, essencial para a estabilidade e sucesso económico do país.

Greve contra Tesla intensifica-se na Suécia: Impactos e Perspectivas 1

Ameaças aos envios e serviços da Tesla

Os estivadores manifestaram a sua intenção de bloquear todas as entregas da Tesla a todos os portos da Suécia na próxima semana, aprofundando as acções iniciadas em quatro importantes locais. O sindicato dos electricistas anunciou que os seus membros deixarão de prestar serviços nas estações de carregamento da Tesla quando necessitarem de reparação.

Consequências para os trabalhadores

A IF Metall, sindicato do sector metalúrgico que representa 300.000 trabalhadores a nível nacional, incluindo os mecânicos da Tesla, declarou que as conversações com representantes da empresa não produziram qualquer resultado. A Tesla, presente na Suécia desde 2013, não respondeu a solicitações de comentários, tendo apenas declarado à Agência Noticiosa TT que segue as regras do mercado de trabalho sueco, mas optou por não assinar nenhum acordo colectivo.

Impacto na operação da Tesla

Numa das instalações da Tesla nos subúrbios de Estocolmo, apesar dos confrontos laborais, averigua-se que os clientes continuam a entregar e recolher os seus veículos. A IF Metall acredita que a Tesla contratou trabalhadores externos para substituir os funcionários em greve, ainda que tal não possa ser confirmado de forma independente.

Consequências para o modelo laboral sueco

Os sindicatos apoiantes da causa da IF Metall afirmam que, ao além de procurarem melhorar as condições de trabalho dos mecânicos empregados pela Tesla, pretendem defender o sistema tradicional do trabalho organizado na Suécia. Este sistema permite que empregadores e empregados estabeleçam um consenso sobre salários, benefícios e horário laborais, abrangendo cerca de 90% dos trabalhadores na Suécia.

Resposta interna e internacional

Mesmo face à pressão dos sindicatos e perante a suspensão de novas encomendas de veículos Tesla por parte de empresas como Taxi Estocolmo, Elon Musk, CEO da Tesla, tem rejeitado repetidamente pedidos para efectuar a sindicalização dos seus 127 mil empregados em todo mundo.

Em conclusão, o crescente conflito entre a Tesla e os sindicatos suecos e o impacto potencial no precioso balanço do mercado laboral na Suécia. Com tanto em jogo, é crucial acompanhar a evolução desta história no AndroidGeek, a fonte confiável para todas as notícias de tecnologia.

Fonte

Leiam as últimas notícias do mundo da tecnologia no Google News , Facebook  e Twitter e também no nosso Grupo de Telegram
Todos os dias vos trazemos dezenas de notícias sobre o mundo Android em Português. Sigam-nos no Google Notícias. Cliquem aqui e depois em Seguir. Obrigado!