A Xiaomi é daquelas marcas chinesas que chegou à Europa e fez “zum zum” por vender smartphones topo de gama ao preço da chuva.

Mas estes equipamentos só se encontravam disponíveis na loja online da mesma, ou através de sites de terceiros.

Mas a Xiaomi quer mudar isso.

Segundo a declaração do CEO Lei Jun durante o encontro “Davos meeting” na cidade de Tianjin ao jornal “China Daily”.

0B5CUt KUpXFUNmgwTGdLNFBrTG8 Xiaomi vai abrir lojas físicas e expandir a oferta image

“Xiaomi nunca foi destina a ser apenas um loja de smartphones, em vez disso pretendemos oferecer ao consumidor uma maior variedade de produtos”

É óbvio que a venda de smartphones sempre foi  o principal impulsionador da Xiaomi e uma das principais formas de receitas, no entanto não se trata da única.

Uma vez que a marca “Xiaomi” ganha cada vez mais força com os seus produtos, o passo mais lógico será realmente criar espaços físicos de venda.

No entanto agora lanço-vos a seguinte questão, uma vez que uma dos pontos fortes desta marca é o preço/qualidade por se dedicarem exclusivamente à venda online , o facto de quererem criar espaços físicos de venda significa mais encargos como o caso de comissões, transportadoras e rendas.

Isso pode significar que para manterem uma margem de lucros alguns produtos poderão escalar nos preços, algo que nós ocidentais conseguimos ver em outras empresas provenientes do Oriente.

Será que vamos passar a ver smartphones Xiaomi com um preço acima da média que já fomos habituados?

Relacionado:
Nokia D1C em dose dupla com duas variantes de hardware