A Xiaomi começou a sua aventura no mundo tecnológico como um negócio local, mas que era muito bem visto no resto do mundo. Gadgets potentes e elegantes com excelentes preços eram os ingredientes para seduzir os utilizadores. Porem nos olhos de muitos, era somente mais uma marca chinesa e que levava á desconfiança de muitos mercados Ocidentais.

O certo é que a Xiaomi cresceu, e talvez mais do que estivessem á espera. O próximo passado era tentar convencer os mercados Ocidentais. Então a marca niponica decidiu que algo tinha que fazer. E qual foi o começo? Mudar a marca, é claro.

A Xiaomi mudou, mas mudou para se tornar uma marca mais global, e agora chama-se Mi. A mudança da marca é importante e certamente está relacionada com a esperada abertura do fabricante para o mercado global, pelo menos é o que parece ser. Juntando a mudança da marca, com a contratação do Hugo Barra. Para quem não sabe, o Hugo Barra era o vice-presidente de produtos na divisão Android, da Google.

Agora a Mi pode colocar os seus produtos em lojas físicas um pouco por todo o mundo e até mesmo em lojas virtuais, como a Amazon, chegando assim a muitos milhões de potenciais compradores.

Por enquanto a Mi, dispõe no seu catalogo de gadgets os mesmos que dispunha a Xiaomi, os famosos Mi3, Redmi, Redmi Note, entre outros.

Relacionado:
Nexus 6 conhece finalmente o doce sabor do Android Nougat

Isto parece-me que é uma boa notícia para nós Portugueses. Isto pode significar a vinda Oficial da marca para a Europa, e por consequência a vinda para Portugal, daquela que é uma das mais (ou talvez a mais) permissoras empresas do mundo tecnológico.