O conector P2 pode ter os seus dias contados, aparelhos como o iPhone 7 e o Moto Z já optaram por usar uma entrada USB do Tipo C em vez da convencional porta de 3,5 milímetros para os fones. A moda pode não pegar, mas ao que tudo indica é uma tendência de curto prazo, e segundo a Intel, a mudança não é só uma mera substituição do modo como é ligado, mas sim uma melhoria.

Durante o Developer Forum da empresa, Brad Saunders e Rahman Ismail, arquitetos da Intel, tentaram explicar as vantagens do USB Tipo C sobre a tradicional entrada de 3,5mm. A primeira é a mais óbvia de todas: smartphones mais finos. Sem todos aqueles circuitos analógicos extras, é possível simplesmente migrar totalmente para digital e disponibilizar alguns milímetros que podem ser usados para tornar o smartphone mais fino, ou até mesmo para disponibilizar uma bateria maior.

0B5CUt KUpXFUVnNheDNRNUhOSnc Porque é que o USB do Tipo C é melhor que uma entrada tradicional para fones? image

Segundo Sanders, o áudio digital em conjunto com os softwares adequados, permitem transportar para os fones mais simples os recursos de aparelhos muito mais caros, como cancelamento de ruído e ampliação dos baixos.

Outra questão válida é consumo energético de um controlador USB, que consome mais energia do que um dispositivo com cabo P2. No entanto, os arquitetos afirmam que as especificações revistas do USB do Tipo C são capazes de detetar quando o utilizador não está usar o microfone ou o áudio e desativar o fluxo de energia para poupar a bateria, e por isso, segundo Sanders, a diferença de consumo energético é insignificante.

Relacionado:
Como recuperar contactos Google perdidos no Android

Já do ponto de vista técnico, não há perdas com a migração para o USB. As questões de usabilidade, no entanto, continuarão no ar. Usar fones de ouvido enquanto o smartphone carrega será inviável sem um adaptador, a não ser que seja usado um carregamento sem fios, mas isso é outra história. Além disso, todos os seus fones antigos também passarão a ser inúteis sem um adaptador.

Acha que vale a pena? O consumidor vai aceitar a mudança? Só o tempo o dirá.