Review Moto E 2015, um lowcost que é mais que um lowcost

O Moto E 2015 foi lançado em Fevereiro de 2015 e graças à Chiptec foi possível disponibilizar-vos este review.
Para quem não conhece, o Moto E é o telefone de entrada da Motorola, o seu preço é muito apelativo e custa sensivelmente €135. Estamos a falar de um telefone de uma marca que garante atualizações frequentes, e é um telefone muito procurado.
A empresa que nos disponibilizou o telefone para review, tem o mesmo em stock e com um preço de €134,9.. e se estás interessado em adquirir um, podes fazê-lo aqui.

Desenho & Qualidade de Construção

Sinceramente não esperava tanto deste telefone. Quando o tirei da caixa fiquei positivamente surpreendido com o mesmo. Apesar de ser totalmente em plástico, a sua parte traseira emborrachada dá um toque maravilhoso ao telefone. Quem tem um Nexus 5, ou já teve com um na mão, sabe do que estou a falar pois o toque é muito semelhante, se não for igual. Muito agradável, e adapta-se facilmente ás nossas mãos.
A moldura aderente à volta do telefone é removível, já que as tradicionais capas coloridas foram substituídas por bumpers. Esta moldura serve também de “tampa” para o microSD e para o SIM Card, tornando o telefone mais discreto e sem “cortes”.

O dispositivo é relativamente fino, com uma ótima ergonomia e peso. As suas 145g são um “alvo fácil” para qualquer bolso.
E por fim no que torna a qualidade de construção, a Motorola informa que o Moto E 2015 é resistente a respingos de água, mas que não é resistente a submersões. Nós aqui no AndroidGeek.pt decidimos nem sequer testar isso.

Relacionado:
Donos dos Moto G4 já podem saborear o doce sabor do Nougat

Ecrã

Para mim, o é elo mais fraco deste telefone… mas é o elo mais fraco deste telefone, e de todos os telefones de gama baixa que conheço.
As 4,5 polegadas com resolução de 540 x 960 pixeis e 245 ppi, as cores são medianas assim como o contraste e a nitidez. O ecrã não é mau, e é totalmente aceitável para o conjunto de especificações oferecidas pelo dispositivo dentro da sua faixa de preço.
No que toca a proteção, o telefone trás o já famoso Corning Gorilla Glass 3 que lhe dá uma das melhores proteções conta riscos e arranhões.
O ecrã é sensível ao toque, respondendo rapidamente e tem uma boa capacidade de não deixar a marca dos dedos.

Software

Quando se fala em telefones da Motorola, fala-se também em sistemas operativos atualizados, e com o Moto E 2015 não é diferente, pois o mesmo vem de fábrica com o Android 5.0.2 Lollipop de fábrica.

Performance

Neste aspeto este telefone está um pouco acima dos telefones da mesma gama de outras marcas, é que este vem equipado com o Qualcomm Snapdragon 410, 1GB de RAM, e como não podia deixar de ser com o seu Adreno 306.
Este conjunto de hardware é suficiente por exemplo para correr o Asphalt 8 ou Crossy Road, com todas as sombras e detalhes de gráficos essenciais.
No que toca a pontuação do tão aclamado Antutu, e com muitas aplicações abertas e depois de ter estado a testar alguns jogos, o telefone fez um pouco mais de 22000 pontos.
Espetacular foi o facto de não ter sentido qualquer tipo de aquecimento do telefone, mesmo após ter corrido o Antutu e continuar com 5 ou 6 aplicações abertas, entre elas o facebook.

Relacionado:
Sony confirma modelos que serão oficialmente atualizados para Android Nougat

Câmara

Esta foi das partes que mais tive curiosidade em testar, e o Moto E recebeu boas otimizações no que se trata de fotografia.
A sua câmara principal manteve os 5 megapixeis do seu antecessor, tal como os modos panorama, HDR e a função de geolocalização, mas ganhou a excelente opção de autofoco.
Em relação ás filmagens, a qualidade de gravação de vídeo aumentou de 480 pixeis a 30fps no Moto E primeira geração para 720 pixeis a 30fps.
Outra das novidades deste telefone foi integração de uma câmara frontal (VGA), já que o seu antecessor não dispunha de câmara frontal. A qualidade da imagem não é das melhores, mas ao menos o Moto E 2015 já dispõe de uma câmara para selfies.

Bateria

Este telefone tem uma bateria de 2390mAh que são suficientes para um dia normal e com um uso moderado.
A bateria não é removível (pelo menos para o utilizador comum). Após mais de 12 horas de testes, cheguei ao fim do dia 33% de bateria com quase 3 horas de ecrã, e corri imensos testes, jogos, Antutu. Como tal parece-me que tem uma autonomia mais que aceitável para um telefone de baixo custo.

 

Especificações Técnicas

  • Sistema Operativo: Android 5.0.2 (Lollipop)
  • Processador: Qualcomm Snapdragon 410, Quad-core 1.2 GHz Cortex-A53
  • Memória RAM: 1GB
  • Memória interna: 8GB
  • Memória externa: cartão microSD até 32GB
  • Ecrã: 4.5″, 540 x 960 píxeis (245ppp), protecção Corning Gorilla Glass 3
  • Câmara traseira: 5MP, Sem Flash, Geo-tagging, vídeo [email protected]
  • Conectividade: Wi-Fi 802.11 b/g/n (Wi-Fi hotspot), Bluetooth v4.0, microUSB 2.0, A-GPS/GLONASS
  • Sensores: Acelerómetro, Proximidade
  • Bateria: 2390 mAh Li-Ion
  • Dimensões: 129.9 x 66.8 x 12.3 mm, 145 g
Relacionado:
Moto Z conta agora com 2 novos módulos

 

[slideshow_deploy id=’11760′]