Apesar de aparelhos com Android considerados high end virem com o sistema operativo actualizado, smartphones e tablets mais modestos correm versões anteriores ao actual KitKat. Se depender da Google, essa prática deve acabar daqui em diante.

De acordo com o site Mobile Bloom, um documento, que supostamente veio da equipa de desenvolvimento do Android, foi enviado para todos os grandes fabricantes e afirma que a Google não aprovará a distribuição GMS para novos produtos que estiverem a correr versões mais antigas do sistema operativo. Isso significa que todos os aparelhos, sejam eles high ends ou low ends (mais baratos), deverão correr o Android KitKat 4.4 de fábrica.

Conforme informações do Mobile Bloom, a mudança deverá começar já no mês de Fevereiro. Sem a aprovação do GMS (Google Mobile Services), os aparelhos ficariam sem aplicações base do Android, como o Maps, Hangouts e Google Now, sendo que até mesmo à loja do sistema operativo pode ficar indisponível.

Alterações que podem virar o jogo

Caso o documento seja real, vários fabricantes podem ver-se com um grande problema em mãos, já que a venda de smartphones de baixo custo, com configurações mais modestas e versões mais antigas do Android, movimenta grandes cifras em mercados emergentes.

Se a instalação do KitKat tornar-se obrigatória, os aparelhos teriam que ser mais caros para acomodar uma configuração que corra as últimas actualizações do sistema operativo.

Relacionado:
Xiaomi Mi Note 2 revelado em detalhe antes do lançamento oficial

Isso pode acabar com aparecimento de outros sistemas operativos móveis, como o Windows Phone, que tem vindo a crescer num ritmo constante, e outros SOs, como FirefoxOS e o Tizem se tornem alternativas para fabricantes usarem em aparelhos de baixo custo.

Até o momento, a Google não se pronunciou sobre o assunto.

Fonte: Pocket Lint, Mobile Bloom