Google quer diminuir o tempo que as páginas web levam a abrir nos smartphones

 

A Google anunciou ontem um protejo ambicioso para acelerar a Internet, que ficou conhecido como Accelerated Mobile Pages (AMP). O objectivo é corrigir um dos principais problemas identificados pela empresa na web: o tempo que cada página demora a carregar num dispositivo móvel.

A internet já tem mais de 20 anos. Hoje, pensamos que existe uma crise de velocidade e desempenho”, disse Richard Gingras, chefe de notícias e produtos sociais do Google, em entrevista a EXAME.com

O protejo está a ser lançado com organizações de comunicação social em todos o mundo onde constam grandes nomes como o The New York Times, The Washington Post, The Guardian, El País e BBC.

 

%name Google quer diminuir o tempo que as páginas web levam a abrir nos smartphones image

O Google define a empreitada como “a criação de páginas na web mais amigáveis para dispositivos móveis”. A ideia é que seja criado um padrão universal que permita que páginas abram instantaneamente no smartphone.

Segundo a Google, as pesquisas mostram que 30% dos utilizadores abandonam um site se a página levar mais de seis segundos a abrir no smartphone. O projecto AMP tem pilares tecnológicos para que esse tempo desça em pelo menos 80%. A Google usará um novo padrão de HTML que se difere pouco da linguagem actualmente usada. Também será possível armazenar páginas pré-carregadas nos servidores da Google – as empresas também podem escolher manter o conteúdo nos seus próprios servidores.

Relacionado:
Huawei Mate 9 terá 3 versões

As páginas serão simplificadas em relação ao conteúdo original. No entanto, o foco será no essencial: texto, fotos e vídeos (além de banners de anúncios). Essa nova prática, acredita a Google, permitirá que as páginas abram instantaneamente em smartphones e ligações móveis.

Nos próximos meses, o Google espera trabalhar com as empresas para expandir as capacidades das páginas no projecto AMP. A expectativa é que seja possível usar tipos de conteúdo mais sofisticados como mapas, ferramentas de visualização de dados ou plug-ins sociais.

Vale dizer que todo o material é completamente open-source. Tudo será disponibilizado pela empresa no GitHub.