Função experimental do Android reduz em até 80% o uso de tráfego móvel

Já todos devem ter ouvido falar das PUR (Política de Utilização Responsável)* que todos os operadores aplicam aos seus tarifários de internet “Ilimitada”, o que acontece depois de ultrapassado o tráfego considerado aceitável (cerca de 15GB na maioria das operadoras), a velocidade de ligação cai para cerca de 128Kb/s o que se torna um desespero no acesso à internet.

A novidade que surge agora pode vir a resolver ou amenizar o problema para quem se depara com esta questão em acessos via terminais Android, sejam eles smartphones ou tablets.

A Google desenvolveu uma nova tecnologia experimental que promete aliviar o sofrimento. Esta novidade assegura identificar quando o smartphone está a usar uma ligação de baixa velocidade e automaticamente converte o site que o utilizador pretende aceder numa versão básica do mesmo, algo como o servidores do Opera mini fazem.

Ou seja, o site visitado não será tão interessante visualmente visto que as imagens pesadas e vídeos, por exemplo, serão ignorados. Provavelmente será entregue algo com visual simples e em grande parte, apenas texto. Porém, a velocidade de acesso será até 4 vezes superior, de acordo com a Google. Além disso, utilizando a função, os utilizadores consumirão 80% menos dados dos seus planos de internet móvel. Caso queiram aceder à versão completa do site, essa opção será disponibilizada.

Relacionado:
Nexus 5 já conta com versão estável do Android Nougat

A novidade vai chegar primeiramente aos terminais Android na Indonésia. Porém, caso tudo corra bem, muito provavelmente veremos a nova função em mais países, principalmente naqueles que não contam com boas ligações de internet móvel. Em Portugal orgulhamo-nos de ter uma das maiores e mais abrangente rede móvel de dados, no entanto certamente determinadas zonas do interior iriam benefeciar desta inovação.

FONTE

*Esclarecimento ANACOM acerca da PUR (Política de Utilização Responsável)*

A ANACOM não impõe aos operadores quaisquer limites de tráfego a partir dos quais eles devam cortar o acesso aos seus clientes, razão pela qual a informação publicada no vosso site no passado dia 11 de maio, na notícia intitulada «Android reduz em até 80% o uso do tráfego móvel», que menciona um limite de 15 Gbts, é incorreta.

A Lei das Comunicações Eletrónicas (LCE) admite que as empresas prestadoras de serviços de comunicações eletrónicas procedam a eventuais limitações no acesso e na utilização de serviços, bem como à implementação de medidas para condicionar o tráfego de modo a evitar que seja esgotada a capacidade num segmento de rede ou impedir que a capacidade contratada seja ultrapassada. A possibilidade de operar este tipo de intervenção deve estar prevista nos contratos e deve ser objeto de clara e adequada divulgação aos utilizadores e assinantes.

No entanto, só se admitem medidas restritivas de caráter excecional e que se destinem a evitar que seja esgotada a capacidade num segmento de rede. Terão que ser (i) adequadas, (ii) proporcionais, quanto ao fim, à medida em si e à respetiva duração e (iii) equitativas no tratamento dos diferentes utilizadores com o mesmo tarifário/pacote.