A empresa indiana Karbonn anunciou que em breve vai colocar no mercado um novo smartphone com dois sistemas operativos integrados: o Windows Phone e o Android. Quem trouxe a notícia para o ocidente foi o site Times of India, que conversou com Sudhir Hasija, o presidente do fabricante. Hasija elogia bastante o facto de a Microsoft ter facilitado o mercado ao “abrir” seu sistema.

Ele diz: “A Microsoft afrouxou as regulações e está a abrir a sua plataforma para outras empresas. Nós assinamos uns termos dois dias atrás e vamos lançar uma série de aparelhos com Windows Phone”. Isso tudo deve acontecer nos próximos três meses, mas a chegada de um dual-OS para profissionais e apaixonados por tecnologia virá apenas em Junho. Só não está claro se esse dual-OS significa sistemas separados ou integrados.

A Karbonn não é conhecida em Portugal, mas faz relativo sucesso no mercado indiano — tendo atingido 6,4% do mercado em agosto do ano passado. O principal foco de seus produtos são os consumidores com menor poder de aquisição, por isso a maioria de seus aparelhos são produzidos para os nichos intermediários dentro do segmento de portáteis. Será que um smartphone dual-OS desse tipo virá para Portugal?

Por que um smartphone indiano nos interessa?

Respondendo à pergunta que fizemos no final do último parágrafo: as hipoteses de um smartphone da Karbonn chegar a Portugal são praticamente nulas. Mas mesmo assim este tipo de notícia é realmente importante. Isso acontece porque diz respeito à possibilidade de um smartphone supostamente lowcost, com dois sistemas operativos, vai chegar ao mercado. Isso vai meter os outros fabricantes em alerta.

Relacionado:
OnePlus 3T é agora oficial, com ecrã AMOLED e Snapdragon 821

A Google não é conhecida por permitir que os fabricantes utilizem o Android em conjunto com outros sistemas operativos. Recentemente, rumores de que a ASUS teria desistido de um aparelho desse tipo por pressão da Google voltaram a circular. Ou seja, talvez não vejamos o Dual-Boot em aparelhos internacionais, mas a Google pode ser mais flexível com fabricantes locais, como a Karbonn (Índia), Yotta (Rússia) ou ZTE (China).

Fonte: Times of India, WM Power User