Aparelhos de baixo custo puxam pelas vendas de Smartphones

Dispositivos baratos vendidos em países emergentes puxaram o mercado global de smartphones para cima, no terceiro trimestre de 2015. Segundo o Gartner, foram comercializados mundialmente 353 milhões de dispositivos para utilizadores finais, expansão de 15,5% sobre o mesmo período do ano anterior.

A consultora observa que os consumidores dessas regiões em crescimento estão a trocar os seus telefones mais básicos por dispositivos inteligentes devido a pequena diferença de preço entre produtos nessas categorias.

“As vendas desses aparelhos em mercados emergentes atingiram 259,7 milhões de unidades no terceiro trimestre de 2015 – um crescimento de 18,4%, comparado ao terceiro trimestre de 2014 –, enquanto as vendas em mercados desenvolvidos alcançaram um crescimento de 8,2% no mesmo período”, compara Anshul Gupta, diretor de pesquisas do Gartner.

Nesse período, a Samsung actualizou os seus principais aparelhos para enfrentar a desaceleração da demanda por seus produtos top de gama; e a Apple (que lidera o segmento premium) apresentou o iPhone 6S e o iPhone 6S Plus, que teve lançamento simultâneo na China, o que ajudou a aumentar significativamente as vendas globais do trimestre.

MI4I HAND Aparelhos de baixo custo puxam pelas vendas de Smartphones image

De acordo com o Gartner, a Huawei continua com a sua dinâmica de crescimento, impulsionada pelas vendas tanto no mercado doméstico quanto no mercado mundial, especialmente na Europa, onde as vendas foram estimuladas pela crescente visibilidade da marca.

Relacionado:
Huawei Mate 9 já está disponivel em Portugal

No mercado de sistemas operativos, o iOS continuou a registar um forte desempenho, e cresceu 21% acima da média do mercado. As vendas de Androids aumentaram 1,4% em relação ao mesmo período do ano passado, devido aos fortes resultados mundiais da Samsung e da Huawei.

Apesar da chegada do Windows 10, a participação da Microsoft no mercado de smartphones caiu de 3% para 1,7% em relação ao ano anterior. A sensação da consultora é que aparelhos com essa plataforma terão maior aderência no mercado corporativo.