Análise Samsung Gear S um Wearable de luxo.

A Samsung foi das primeiras a ajudar a criar o conceito de Smartwatch moderno, um dispositivo que fosse utilizável e útil para os consumidores de forma geral, o primeiro passo foi quando lançou o seu Gear Galaxy em setembro de 2013.

Desde então a Samsung tem melhorado o seu conceito de Smartwatch e influenciando directamente o mercado de wearables global, quer acreditem quer não, desde a primeira versão a Samsung já lançou mais quatro smartwatches – o Gear 2, Gear 2 Neo, Gear Fit e Gear Live. Após apenas pouco mais de um ano desde o seu  primeiro SmartWatch , a Samsung lança o seu sexto – o Gear S.

 

Gear S

Indo na direção oposta á filosofia do Android Wear “menos é mais”, a Samsung escolheu o “mais” e com o Gear S apresenta um enorme display AMOLED de 2 polegadas curvo, imensos recursos e funcionalidades suportadas por um conjunto de sensores relacionados com a saúde e condição física. A Samsung dá ainda um passo adiante, incluindo Wifi autónomo e suporte 3G para que o seu Smartwatch funcione independentemente de termos ou não o Smartphone connosco.

gear1 Análise Samsung Gear S um Wearable de luxo. image

Chamar o Gear apenas de “SmartWatch” é dizer pouco, o Gear S é um smartphone completo que podemos usar no pulso.

Num primeiro olhar ao Gear S a principal característica é o seu enorme ecrã retangular de 2 polegadas, que supera facilmente os cerca de 1,4 polegadas que exibem outros smartwatches recentes.

Não é apenas grande, mas é também curvo o que torna o design ainda mais exuberante, não estamos a falar de um ecrã ligeiramente curvo numa superfície plana, estamos a falar de um dispositivo realmente curvo a acompanhar o formato do pulso.

O ecrã em AMOLED com uma resolução de 360×480 e é nítido e brilhante, como seria de esperar de um display Samsung. A função de Brilho automático encontra-se disponível graças a um sensor no dispositivo que avalia a luz ambiente, mesmo assim com o brilho no máximo, em condições de extrema claridade pode ser um pouco difícil consultar os dados no ecrã, e neste caso concreto o ecrã curvo não ajuda a lidar com os reflexos.

Como já referimos o relógio apresenta um ecrã de 2 polegadas, o que torna todo o dispositivo grande, certamente grande demais para usar no pulso para alguns utilizadores (as).

Relacionado:
Events é a nova aplicação do Facebook que está a chegar para Android

Este modelo conta com uma funcionalidade extra que é na realidade um sensor de UV e sensor de luz ambiente que se encontram ao lado de um botão home físico rectangular, à semelhança do que podemos ver em qualquer telefone Samsung de hoje em dia.

O lado esquerdo do relógio tem um pequeno microfone  para comandos de voz e fazer chamadas, enquanto uma pequena  coluna se posiciona à direita para todos os tipos de saída de som. O som é claro o suficiente para conseguirmos ouvir as pessoas em chamada, mas ouvir multimédia neste equipamento não é simplesmente funcional.

Olhar para a parte de baixo do relógio revela um sensor de frequência cardíaca, pinos para o carregador e uma pequena tampa do slot do cartão SIM.

Inovação

Além do acelerômetro padrão , bússola e giroscópio que se encontram facilmente na maioria dos smartwatches de hoje, o Gear S acrescenta algo como um sensor de ritmo cardíaco , sensor UV, GPS e até mesmo um barómetro . Os dois últimos podem revelar-se úteís quando estamos longe do telefone e precisamos de informações de localização , enquanto que os outros sensores ajudam a aumentar as funcionalidades S Health do Gear S.

gear2 Análise Samsung Gear S um Wearable de luxo. image

O resto das especificações internas vão ao encontro dos outros smartwatches lançado este ano – um processador de 1 GHz dual-core , 512 MB de RAM , 4GB de armazenamento interno e uma bateria de 300mAh .

Relativamente a conectividade a Gear S tem Bluetooth 4.1 como principal opção de ligação ao smartphone. Mas também tem Wifi (b / g / n) standalone  e um slot para Micro SIM para uso com redes 2G e 3G para quando estiver fora do alcance Bluetooth.

Com este equipamento a Samsung reforça a ideia de que o Tizen – sistema operativo personalizado da Samsung – é o caminho do futuro para os seus wearables.

Assim como vimos nos últimos dois relógios da gama Gear, o Gear S corre o seu próprio sistema operativo Tizen. Este é um sistema totalmente personalizado de interface que a Samsung criou para que seja exactamente como a gigante coreana quer, sem ter que adaptar os seus dispositivos a sistemas operativos desenvolvidos por terceiros.

Relacionado:
Xiaomi já prepara MIUI 9 baseado no Android Nougat

Gear S

O interface principal é um relógio, com um deslizar para a esquerda vamos até à área de “widgets” onde é possível navegar através de uma panóplia de informações. Um deslizar à direita do relógio mostra uma lista de notificações. Um deslizar para cima e estamos no launcher de aplicações (sim, separado dos widgets e notificações), e um deslizar para baixo no
relógio dá acesso um painel de configurações rápidas para o som, vibração, estado da bateria e informações de ligação.

Em termos de relógios podemos escolher entre 13 pré-instalados (e em muitos casos configuráveis) na loja Galaxy Apps temos disponíveis ainda mais opções. O conjunto de widgets à direita do mostrador do relógio é customizável, e podemos ainda adicionar qualquer um dos já disponíveis: S Health, ou um leitor de notícias,agenda , calendário, contactos, tempo, um leitor de música e atalhos de configurações.

É possível reorganizar a gaveta de apps por ícones , assim como um telefone , e até mesmo mergulhar profundamente em várias camadas de configurações para personalizar tudo. É possível mudar a cor do interface, perfis de som , controlo de brilho , preferências de ligação  atalhos de tecla home , bloqueio de privacidade, controlo de movimento e modos de
economia de energia.

Como já devem ter percebido, leva algum tempo até dominarmos tudo o que é possível fazer em termos de configuração com o Gear S.

Em muitos aspectos os menus de configuração são confusos e repletos de funcionalidades desnecessárias . Navegar através de várias camadas do interface num ecrã pequeno pode revelar-se uma tarefa frustrante, o Gear S leva um bom tempo para descobrir.

 

Notificações

O Gear S mostra o conteúdo completo de cada notificação, até mesmo longos e-mails, mensagens ou comentários, mas o grande problema aqui é a sincronização,quando recebemos uma notificação no telefone, e, portanto também no Gear S, o estado destas notificações não está sincronizado. Se a lermos no telefone e limparmos, esta “ordem” não é replicada para o relógio, deixando o wearable a amontoar dezenas de notificações “não lidas”.

Relacionado:
Galaxy S6 edge+ Europeu recebe patch de segurança

gear3 Análise Samsung Gear S um Wearable de luxo. image

Sendo que a maioria das pessoas são muito mais propensas a interagir com as notificações no telefone não faz sentido não existir sincronização bi-direcional, e isso significa que temos que consultar as notificações no Gear S e escolher “limpar todos”. Significa também, muitas vezes olharmos para o pulso a pensar que temos informações “novas”, quando na verdade podem ter horas (ou dias).

 

App Gear Manager

Mesmo não correndo Android no Gear S a Samsung garante a total integração e funcionamento com os seus dispositivos Android graças à aplicação Gear Manager.

gear manager1 Análise Samsung Gear S um Wearable de luxo. image

E sim, o Gear S só funciona com telefones Samsung, discordamos e entendemos em simultâneo.

O Gear S pode ser poderoso, mas a aplicação Gear Manager ainda é uma muleta necessária, só atravé dela é possível configurar e usar o Smartwatch.

E mesmo que o Gear S seja comercializado como um SmartWatch que pode trabalhar de forma independente do seu telefone, isto está longe de ser verdade pois para começar, a sincronização com um telefone Samsung é o passo inicial de configuração, assim como usar o telefone para instalar aplicações no relógio.

A aplicação Gear Manager irá manter o relógio ligado ao telefone via Bluetooth, mas também pode lidar com uma “ligação remota” para o relógio via Wifi ou 3G quando os dispositivos são separados. Com uma ligação remota ainda podemos receber notificações do telefone, bem como gerir chamadas e envio de mensagens, isto se tivermos um cartão SIM no relógio.

Resumindo, ainda que o Gear S permita uma boa quantidade de funções sem recorrer ao telefone, adquirir um destes Smartwatches sem ter um telefone Samsung compatível é um erro, pois simplesmente não vai funcionar correctamente.

 

Conclusão

O Samsung Gear S é um excelente equipamento, que apresenta mais funcionalidades que a sua concorrência, no entanto o preço pedido por este wearable pode ainda afastar muitos dos potencias interessados, pois existem opções (mais limitadas) muito mais em conta.

Que vos parece este conceito de Smartwatch da Samsung?

Deixem os vossos comentários.

PARTILHAR
Artigo anteriorHuawei P8 já há teasers oficiais!
Próximo artigoProcessador da Xiaomi é mais veloz que o Snapdragon
Fundador do Androidgeek.pt ,trabalho em TI há dez anos. O desafio de gestão de equipas com foco nas necessidades do mercado deu-me o background certo para abraçar vários projetos online, nos quais aproveito a minha experiência em duas das minhas paixões: Tecnologia e Escrever. Sou um profissional dedicado com vasta experiência em todas as áreas de Gestão de TI e Gestão de serviços na área de Tecnologias de Informação. Sou apaixonado por tecnologia, Android, Publicidade, Marketing Digital e posicionamento estratégico.